Top
BANDA DE MÚSICA PMAM – Blog do Coronel Roberto
fade
5408
post-template-default,single,single-post,postid-5408,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,flow-ver-1.4,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-type2,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

BANDA DE MÚSICA PMAM

BANDA DE MÚSICA PMAM

NUNCA OPM, MAS MAIS ANTIGA

A Banda de Música é a mais antiga organização da Policia Militar do Amazonas, por incrível que pareça. Desde a sua criação, não deixou de operar mesmo quando a PM esteve desativada (1930-36). Ainda que aos emboléus, a Banda permaneceu tocando pelas esquinas de Manaus, até ser amparada pelo Corpo de Bombeiros Municipais, enquanto sua alma mater penava.

A força policial, ao desfrutar da pomposa denominação de Regimento Militar do Estado (1897-1912), usufruía de expressivo efetivo. Diante de tanto pessoal engajado, foi exequível organizar duas bandas de música. Advirto que eram tempos de “vacas gordas”, de borracha farta fluindo pelos rios, riqueza que possibilitou construir a belle époque manauense.

Quando essa riqueza se liquefez, a corporação policial do Estado foi igualmente derretendo. De Regimento, apequenou-se em Batalhão. Depois, Força Policial e, mais adiante, Polícia Militar do Estado do Amazonas (PMEA). A cada mudança, padecia uma acelerada diminuição do efetivo, backup do que acontecia com a população de Manaus. No beiradão, objeto de vindoura parte de sua história, nem se imagina como a Polícia mantinha seu pessoal.

Na metade do século passado, a situação econômica do Estado bateu no fundo do igarapé. Uma recordação assaz aflitiva: o reduzidíssimo fornecimento de energia elétrica, forçava o apagão em dias alternados. Manaus estava prestes a consolidar a decantada designação de “porto de lenha” que, para nosso gáudio, não vingou. A Polícia Militar era um simulacro de força, autêntico fantasma, segundo proclamou o governador Plínio Coelho, ao tomar posse em 1955. A organização, Força Auxiliar do Exército, reproduzia as linhas deste e correspondia ao efetivo de um batalhão, seccionado em companhias adaptadas para atender as imposições da Segurança.

Obviamente, nesse contexto encontrava-se a Banda de Música. Ora puxando o desfile matinal ou comemorativo, ora, nos coretos, até encantando os ouvintes. Houve liberalidade para adotar um mascote: um carneiro. Nesse quadro sombrio, as Forças Armadas implantaram o Governo Militar (1964-85), que os estudiosos alcunham de ditadura (seja lá!). O que importa é que, empossado no governo do Estado, Arthur Cezar Ferreira Reis (1964-67) reestruturou a Polícia Militar do Estado do Amazonas (PMEA), começando por crismá-la de Batalhão Amazonas. Recordou, a fim de sustentar o decreto nº 188/65, que um batalhão da Força Estadual do Amazonas ajudou a sitiar Canudos, em 1897.

Um mês antes deste empreendimento governamental, o comandante da corporação, major EB Jorge Nardi, havia instalado o CIM (Centro de Instrução Militar) destinado, como indica a própria nomenclatura, a capacitar os policiais ingressos na PMEA. Este Centro tornou-se o embrião do CFAP (Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças), criado em 1980.

Não nesta ordem, mas a partir do desempenho do Governo Militar provieram na Força Estadual sua expansão na Capital e nos afluentes do rio Amazonas; o aumento da força de despersuasão (Choque) com suas variantes; o serviço de extinção de incêndios; o policiamento motorizado, o montado, o fluvial e, por fim, o aerotransportado. Alguns, substituídos, outros, extintos, segundo impunha o progresso.

“Porém! há um caso diferente” (canta o poeta), destoante ou não: a Banda de Música coronel Afonso de Carvalho persiste. Nem tão altaneira, nem tão briosa como se anseia, porém, consagrada como a Única OPM (Organização Policial Militar) – a despeito de nunca ter sido assim legitimada – da Polícia Militar do Amazonas a atravessar sem interrupção os policiais tempos – ora generosos, ora tenebrosos – de sua existência mais que centenária.

Vida longa ao hodierno Corpo Musical, legatários da Banda inaugurada pelo coronel Afonso de Carvalho e seu primeiro regente, tenente Cincinato Ferreira.

Roberto Mendonça
Roberto Mendonça
Follow us on Instagram