Top
BRUNO DE MENEZES (1893-1963) – Blog do Coronel Roberto
fade
5441
post-template-default,single,single-post,postid-5441,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,flow-ver-1.4,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-type2,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

BRUNO DE MENEZES (1893-1963)

BRUNO DE MENEZES (1893-1963)

Relatavam os paralelepípedos desta cidade que o folclorista paraense Bruno de Menezes morreu em Manaus, em decorrência de um artigo publicado na imprensa local pelo saudoso folclorista Mário Ypiranga. Em 2004, entrevistando a Irmã Marília Menezes (filha de Bruno), a mesma me assegurou a suspeita que circundava a família. Todavia, catei o artigo, li-o e nada vi que impulsionasse um enfarte.

Quem sabe, para “mitigar” o tal infortúnio, o governo da Capital ergueu numa das esquinas da Praça Heliodoro Balbi uma herma com o busto do folclorista paraense, onde numa placa constava o motivo do feito.

Pois bem. Um dia desses, essa placa desapareceu do pedestal. Restou o busto. Porém, não por muito tempo. Anteontem, a madrugada viu ser levado o dito-cujo, permanecendo um suporte metálico muito similar a uma máscara mortuária.

Fica o registro, por que a quem reclamar? Aos bispos? Aliás, registro outro fato, o da falta de segurança na Praça da Polícia. Quanto contrassenso! Como não interessam aos gatunos os livros e outros objetos menores expostos nos quiosques de “sebo”, o ataque destes buscam os refrigeradores e até o freezer da tacacazeira nonagenária que ali comercia.

Diante do desastre apontado, o javali já começou a se preocupar, pode virar um churrasco. Enfim, vou sugerir a população a mudança no codinome deste logradouro, que seja agora: Praça sem Policiamento.

Roberto Mendonça
Roberto Mendonça
Follow us on Instagram