Top
LITERATURA AMAZONENSE – Blog do Coronel Roberto
fade
5278
post-template-default,single,single-post,postid-5278,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,flow-ver-1.4,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-type2,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

LITERATURA AMAZONENSE

LITERATURA AMAZONENSE

Para comemorar 25 anos de poesia, o saudoso poeta Jorge Tufic elaborou uma série de poemas sobre temas regionais. Deu-lhe o título de “Os mitos da criação e outros poemas”, e assim reinaugurava a circulação do Jornal Cultura, publicação do Fundação Cultural do Amazonas – Seduc, relativo a março/abril de 1980.
Compartilho este poema, cujo tema nos é bem conhecido.

Recorte da publicação
 O BOTO 

Rema, Senhor: festança vai começar.
Vento cheira à baunilha. As sombras andam
para trás, como exércitos em fuga.
Margem leste caminha vem trazendo
a lua. São Jorge fica mais perto
enquanto o dragão lhe atiça a fogueira.
Noite agora é um clarão, clarão de festa,
onde o boto apessoado comparece
com seu terno de linho. Madrugada
ele volta ao perau. Leva, nos braços
a cabocla que dorme e que parece
consentir no feitiço que a tornara
dona de um reino aquático, ou talvez
de um sonho que mãe-d’água lhe contara.

Roberto Mendonça
Roberto Mendonça
Follow us on Instagram