Top
MANAUS – CIDADE FLUTUANTE – Blog do Coronel Roberto
fade
3433
post-template-default,single,single-post,postid-3433,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,flow-ver-1.4,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-type2,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

MANAUS – CIDADE FLUTUANTE

MANAUS – CIDADE FLUTUANTE

Cidade Flutuante, talvez uma últimas fotos

O governo de Arthur Reis (1964-67) já havia decretado a extinção da Cidade Flutuante, um aglomerado de flutuantes sobre o rio Negro, em frente à cidade de Manaus. Catando os jornais da época, encontrei os registros abaixo.

A foto, compartilhada do Jornal do Commercio (maio 1965), com a seguinte legenda:

O Brasil é mesmo um pais de contrastes desconcertantes. Eis aí uma vista de Manaus, a beira do maior caudal do mundo — o Amazonas — que despeja no oceano o fantástico volume de 100 mil metros cúbicos/segundo. Não obstante, é impossível retirar-se daí a energia elétrica pelo simples motivo de que não há desnivelamento. Uma percentagem infinitesimal dessa fabulosa carga d’água bastaria para produzir diariamente, em S. Paulo, cujo desnivelamento atinge a 750 metros, 18 milhões de kilowatts/hora.

e o poema de Heimar Veras, de quem, me desculpe o leitor, nada sei. A Balada transcrevi de O Jornal (4 fevereiro 1965).

BALADA DA CIDADE FLUTUANTE
HEIMAR VERAS

O Rio Negro galopa a paisagem
morta e viva, viva e morta
dos flutuantes encharcados de tragédias. 

 O DESEMPREGO  O ROUBO   O CÁRCERE
— Vai, home, percura cumida, home.
— Mulé, toma o dinheiro qui arrumei.
— Entrou aí, o ladrão entrou aí, pega. 

 A NECESSIDADE   O DESBRIO   A VERGONHA
— Não, mamãe, ele é um monstro.
— Qui importa, não temo roupa nem vida.
— Eu era criança, minha mãe obrigou 

O AMOR   O CIUME   O CRIME

— Vi um cabra aqui cuntigo, mulé.
— Foi Zé Anavaiada, o terror da puliça,
— Zé, pruquc mataste o marido dela. 

O Rio Negro galopa a paisagem
morta e viva, viva e morta
dos flutuantes encharcados de tragédias. 

A FOME   A FEBRE   A MORTE
— Dorme, fiinho, num tem arlimento.
— Mãinha, num quelo durmir, quelo cumer.
— Socorro, tá frio, acordou morto. 

 O FRACASSO   O DESGOSTO   A COVARDIA
— Me dá uma dose, peste, vou virá bicho.
— Virgulino, a puliça segue teus fio.
— Coitado de Virgulino, suicidou-se ontem. 

 O DESEJO   A IGNORÂNCIA   O PECADO
— Mamãe, tu tá pecando cumigo assim.
— Meu filho, gosto de ti como home.
— Arre diabo, os dois ficaram como cachorro. 

 A MISÉRIA   A PRECE   O CHORO
— Dorme, fiinho, esquece teu estômago.
— E o papai? Adonde tá o papai?
— Não chora, ele tá inda na prisão. 

O Rio Negro galopa a paisagem
morta e viva, viva e morta
dos flutuantes encharcados de tragédias.

Roberto Mendonça
Roberto Mendonça
Follow us on Instagram