Top
OCULISTA & OFTALMOLOGISTA (2) – Blog do Coronel Roberto
fade
3649
post-template-default,single,single-post,postid-3649,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,flow-ver-1.4,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-type2,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

OCULISTA & OFTALMOLOGISTA (2)

OCULISTA & OFTALMOLOGISTA (2)



As armações de óculos foram se sucedendo, algumas por tempo de serviço, outras pelo modismo, porém, teve uma que se desintegrou (isso mesmo) em uma boate situada na rua Silva Ramos, tendo como referência a sede do BEA, hoje Bradesco. Explico o desastre: a dança arrebatada de então exigia muito balanceio e agitação, por isso, costumava eu enfiar os óculos no interior da camisa, que devia estar por dentro da calça. Certa noite, a camisa perdeu a sustentação e os óculos caíram (sem que eu percebesse). Foram triturados pelos dançantes.

Antes de voltar ao oftalmologista, que não sei quando trocaram de nomenclatura. As lentes que usava, devido aos graus exigidos (OD/OE) e a tecnologia de então, forçava que a lente – em especial do OD – fosse espessa. Como eu ansiava usar um modelo Ray-ban, cuja armação é bem estreita, isso era impossível. Mas tentei, todavia, o pouco menos “fundo de garrafa” não se acomodou. Assim, o dinheiro e o anseio raybaniano foram pro ralo. No entanto, as mudanças operadas por modismo me levaram ao uso de cada vez mais uma armação bem atraente e, mais que tudo, confortável. Adaptei-me à armação no rosto, de sorte que complementa minha cara. Eis um motivo pelo qual reluto em substitui-la por lentes.

Em Fortaleza,
maio 1972, sem
óculos
Visitei alguns consultórios de oftalmologistas. Destes, quatro me deixaram marcas, algumas aprazíveis. Exponho sem obedecer a qualquer ordenamento:  o primo Dr. Carlos Alberto, em São Bernardo (SP), bem que tentou substituir a armação que usava por lentes de contato. Há 30 anos, não suportei o duríssimo exercício de adaptação, razão pela qual o dito cujo não passou de 24 horas. Agradeci-lhe penhorado o brinde das lentes, mas capitulei. Outro foi o Dr. Neuzimar Jr. que, em dias de uma Copa do Mundo, me atendeu com um olho no computador e outro na TV postada no interior do consultório, exibindo o jogo da seleção nacional. Ao sair do consultório, lancei a receita no entulho. Senti-me um lixo.


Certa noite, em 2004, sofri uma grave hemorragia no OD. Recorri ao Unimed que, diante da seriedade do lance, convocou uma médica especializada. Fui atendido pela Dra. Adriana Melo, que me encaminhou para sua Clínica de Olhos Manaus, onde, depois de fotografar o acidente para estudos, cuidou de mim com zelo em várias consultas, enfim, alertando-me para a catarata que se pronunciava. Tornei-me seu fã, pena que nunca mais a visitei. Os dias correram e, diante da opacidade do cristalino (certo?) que se intensifica, dias desses busquei ao Dr. Cavalcanti Jr. na Clínica de Olhos Vision. Aconteceu o reencontro de conhecidos, ele filho do amigo coronel Cavalcanti. 

Foi nesse transito entre máquinas modernas, que me recordei desses fatos cinquentenários aqui narrados. E, após me submeter a exames dos olhos em quase uma dezena de aparelhos, surgiu na conversa entre este clínico e o paciente duas deliberações: uma, a cirurgia que a catarata reclama. E a segunda, escrever um (este) texto relatando minhas experiências com os oculistas, perdão, os oftalmologistas.  

Roberto Mendonça
Roberto Mendonça
Follow us on Instagram