Top
PMAM: 137 ANOS – Blog do Coronel Roberto
fade
5477
post-template-default,single,single-post,postid-5477,single-format-standard,eltd-core-1.1.2,flow-ver-1.4,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-type2,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

PMAM: 137 ANOS

PMAM: 137 ANOS

Nas solenidades militares, como de hábito, o comandante ou diretor do aquartelamento divulga sua apreciação sobre o evento em documento intitulado de Ordem do Dia. Dessa maneira, em abril de 1974, os policiais militares tomaram conhecimento (expressão corriqueira na caserna) da reflexão do comandante-geral. Ao tempo em que a corporação era comandada pelo tenente-coronel do Exército Luci Coutinho.

O texto, lido hoje, mais de quarenta anos depois, não traz apreciáveis recordações, pois, somente reproduz um amontoado de elogios simplórios e repetição de fatos desenxabidos, que se perderam com a evolução da segurança pública no Amazonas.

Compartilho a Ordem do Dia, constante do Jornal Cultura, órgão da Seduc / Fundação Cultural do Amazonas, editado no 2º trimestre de 1974.

 

MEUS CAMARADAS                                                   

Comemoramos na data de hoje 137 anos de existência, quase um século e meio de bons serviços, de luta, de glória, de renúncia e de integrai dedicação ao Estado e à Pátria, todos eles pontilhados de feitos e passagens magníficas.

Relembrar a história de nossa Polícia Militar, é reviver a própria história do Amazonas, já que nossas origens remontam à época que nosso território integrava a Província do Grão Pará, portanto, antes mesmo de existirmos como Estado em sua significação política.

Seus integrantes aqui estão, não para relembrar seu passado, que sabemos foi de sacrifícios e vitórias, de incompreensão e de glórias, mas para confessar a esperança que guardamos em vê-la grande nos dias que virão. O seu caminho foi árduo no passado. O sangue de nossos heróis, derramado nas plagas de Canudos, na campanha do Acre ou nas anônimas ocorrências policiais cotidianas, não o foi em vão.

Os seus feitos nos servirão de guia e neles nortearemos a nossa conduta, alheios a quaisquer paixões, sofrendo e trabalhando resignados e eficientemente, naquela paixão pelo anonimato que sabemos deve caracterizar os homens de caserna.

Nas exaustivas missões policiais, onde quer que a nossa presença se faça necessário, lá estaremos sempre agindo com habilidade e presteza. Longe de ser uma corporação improvisada, a Polícia Militar existe há 137 anos e sua história é uma longa enumeração de serviços expressivamente comprobatórios de sua disciplina, lealdade, patriotismo e espírito de sacrifício, serviços prestados na paz, em defesa da ordem e na guerra combatendo o inimigo da Pátria. Assim o devem entender todos quanto têm a honra de envergar o seu digno e cada vez mais acatado uniforme.

Da serenidade, compreensão, carinho e respeito do povo e da força de nossos corações patriotas, retiraremos a energia necessária para lutar pelo engrandecimento do Estado e para um Brasil cada vez mais forte.

Nesta data tão cara em que comemoramos mais um aniversário renovamos todos, oficiais e praças, nosso juramento aos pés do altar da Pátria.

Renovemos, com amor e desprendimento, nosso ato de fé nos destinos do Brasil e na incontrolável marcha do Amazonas em busca de sua destinação histórica.

Estaremos confiantes, porém diuturnamente vigilantes, que essa caminhada política e econômica se faça na ordem legal e na mais aprazível paz social.

Estaremos prontos a repelir com energia e decisão os aproveitadores, os apátridas, os mesquinhos que buscam riquezas pessoais mesmo com sacrifício do bem comum.

É esta, Policiais Militares, a maneira mais sincera que encontramos para saudar com dignidade, a data magna de nos corporação: A união em torno dos sagrados ideais da Pátria engrandecida.

Tenhamos, pois, confiança no futuro de nossa Polícia Militar, certos de que pelo trabalho, abnegação e compreensão continuaremos a merecer o respeito e a confiança do Governo e do povo que temos o dever de servir.

Luci Vicente Coutinho de Castro

Coronel PM Comandante-Geral

Roberto Mendonça
Roberto Mendonça
Follow us on Instagram