Top
Sobre mim – Blog do Coronel Roberto
fade
5129
page-template-default,page,page-id-5129,eltd-core-1.1.2,flow-ver-1.4,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-type2,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Sobre mim

Quem sou eu...

Roberto Mendonça,

catador de papéis e de antigas histórias regionais

Acabo de executar largo passo na exigente concorrência da mídia pela Internet. Confesso de pronto minha penúria com as teclas e os atalhos, do mesmo modo com os aplicativos e os símbolos. Todavia, sigo me esforçando para melhor evoluir.

Nascido em Constantinópolis (hoje bairro de Educandos), em 1946, migrei para o centro da Cidade ao ingressar no quartel da Praça da Polícia, aos 20 anos. Antes, porém, completei o ensino médio no Seminário São José, desse modo, minha predileção por estas organizações e seus núcleos afins.

Graduei-me pela Faculdade de Direito do Amazonas (1980) e até iniciei (sem concluir) o mestrado em História, na Universidade Federal de Pernambuco (1999). Daí advém outra predileção: a história do Amazonas.

Ultimamente, a biografia da família tem me ocupado. Já se encontra em PDF o livro sobre as viagens de meu pai no Brasil. Ele era oriundo do Peru. Agora, estou removendo do fundo do lago a epopeia da família materna: os Lima do Anveres.

No tocante à minha própria família, esta já se encontra à sua disposição, basta copiar o texto de Rober70 Mendonça.

Com a intenção de “desovar” bom número de tantos papéis catados, a entulhar o escritório-residencial, surgiu o catadordepapeis.blogspot.com, que estreou em março de 2010. Vem servindo para preencher o meu tempo de aposentado e retribuir o incentivo de colegas e familiares, blog que acaba de ser substituído por este site nessa corrida sem termo. Julgo oportuna essa maneira elegante de me livrar de recortes e outros impressos e, de algum modo, compartilhar fontes de pesquisas.

Festejei a centésima publicação, prometendo fidelidade diária. Não alcancei. Ao atingir 1001 postagens, três anos depois, afirmei que, apesar dos apelos da controladora de blogs, persistia fiel ao formato antiquado. Afinal, reitero o que afixei na partida: caro leitor-amigo, aproveite a viagem deste barco e, desejando, envie sua contribuição. É cada uma dessas que me faz reparar o rumo. Vamos comigo!

Follow us on Instagram